ONU, FMI e o Banco Mundial são criticados. Pela própria ONU

A Organização das Nações Unidas (ONU), o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI_ são instituições ultrapassadas e suas atuações devem ser revistas. A crítica acima poderia muito bem ter partido de qualquer país contrário às atividades das três entidades mundiais, mas foram feitas pela própria Universidade das Nações Unidas, em um relatório divulgado nesta quarta-feira.Segundo o estudo, os organismos das Nações Unidas foram criados após o fim da II Guerra Mundial e não conseguiram se adaptar aos novos tempos, mesmo após o fim da Guerra Fria e do rumo à globalização adotado por boa parte dos integrantes da organização. "O processo de globalização fez com que novos problemas e necessidades aparecessem", mas o sistema da ONU ainda precisa ser ajustado, disse a Universidade da ONU, que tem sede em Tóquio.O relatório diz ainda que a autoridade moral da ONU está "seriamente questionada, pois os princípios defendidos pela entidade são seletivamente reforçados quando satisfaz os interesses das nações ricas e poderosas". O estudo ainda recomenda que seja retirado o poder de veto dos cinco integrantes permanentes do Conselho de Segurança da ONU - China, Estados Unidos, França, Inglaterra e Rússia. A Universidade das Nações Unidas preparou o relatório com dados da Divisão de Política Social e Desenvolvimento da ONU e com a ajuda do ministério do Exterior da Finlândia. Os pontos levantados pelo estudo devem alimentar ainda mais o debate por uma reforma nas três poderosas instituições, que são acusadas de serem extremamente burocráticas e lentas e inefetivas para elaborar respostas às crises internacionais.IndependênciaO sistema usado para financiar a existência das Nações Unidas, que hoje se baseia principalmente em taxas pagas anualmente pelos países membros, deve ser reavaliado, também. De acordo com o estudo, é preciso ter uma fonte independente de recursos, que aliviaria o controle político exercido pelos integrantes mais ricos da ONU".Na opinião dos estudiosos da Universidade das Nações Unidas, é preciso criar um Conselho de Segurança Econômica, como forma de dirigir o processo de globalização. Eles ainda sugeriram a criação de uma força de paz permanente, que permitiria à ONU reagir com maior rapidez em crises humanitárias, sem depender de tropas de outros países. Atualmente, esse processo leva meses até que forças de paz sejam enviadas aos países que estão em crise.DesenvolvimentoO FMI e o Banco Mundial - que emprestam dinheiro aos governos de países em desenvolvimento frequentemente em troca de reformas nos sistemas econômicos - também precisam mudar. As instituições, diz o estudo, não ajudam os países que precisam de auxílio, mas tornam os problemas desses governos piores.O Banco Mundial, por exemplo, deveria parar de emprestar dinheiro e começar a "se transformar em uma instituição mais preocupada com o desenvolvimento" nos países pobres. O FMI deveria ter um papel mais construtivo nas crises financeiras. Em vez de simplesmente administrar as crises econômicas, o FMI deveria se preocupar em criar mecanismos para a prevenção dessas crises, diz o estudo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.