ONU garante avaliação 'imparcial e credível' sobre Síria

Inspetores de armas químicas da organização deixaram Damasco neste sábado

Agência Estado

31 de agosto de 2013 | 15h50

A Organização das Nações Unidas (ONU) prometeu, neste sábado, 31, que dará uma avaliação "imparcial e credível" sobre o uso de armas químicas na Síria. O porta-voz da ONU, Martin Nesirky, disse, no entanto, que nenhuma conclusão pode ser dada até que os exames laboratoriais fiquem prontos. Nesirky considerou ainda "grotesca" a ideia de que a saída dos inspetores da ONU neste sábado do país represente uma possível janela para um ataque aéreo contra as forças do presidente sírio Bashar Assad.

Diante das críticas em relação à missão de ONU, Nesirky afirmou que "a missão das Nações Unidas é a única capaz de estabelecer de forma imparcial e credível os fatos sobre qualquer uso de armas químicas".

Os especialistas da ONU têm um mandato para apresentar um relatório sobre o uso ou não de armas químicas durante o conflito Sírio, especialmente durante o episódio do dia 21 de agosto, mas não para reportar a possível autoria do ataque. O chefe das Nações Unidas, Ban Ki-moon, falará com o líder da missão, Ake Sellstrom, por telefone ainda neste domingo.

Segundo o porta-voz, Ban garantiu que "tudo o que pode ser feito para acelerar o processo (dos exames laboratoriais) está sendo feito". De acordo com diplomatas, Ban disse a embaixadores dos Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, China e Rússia que a equipe precisa de duas semanas para concluir a primeira análise.  

A equipe de 20 inspetores de armas químicas da ONU partiu neste sábado da Síria para o Líbano, de onde alguns deles embarcaram para Nova York, levando amostras de sangue e tecido humano, depoimentos de vítimas e outras evidências do uso de armas químicas na periferia da capital Damasco em ataque que deixou 1.429 mortos no dia 21 de agosto. Os inspetores visitaram durante três dias as áreas onde ocorreram esses ataques.

 Fonte: Dow Jones Newswires. (Gabriela Vieira)
Tudo o que sabemos sobre:
ONUSíria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.