ONU investiga ação do Brasil no Haiti

A Organização das Nações Unidas abriu uma investigação para determinar se houve "uso excessivo da força" por parte de uma patrulha brasileira que, na segunda-feira, depois de ter sido apedrejada por universitários, no centro de Porto Príncipe, lançou bombas de gás lacrimogêneo e efetuou disparos com balas de borracha e munição real dentro da Faculdade de Etnologia da Universidade do Haiti. O episódio foi considerado "grave" por David Wimhurst, porta-voz do representante da ONU no Haiti, Edmond Mulet.

AE, Agência Estado

30 Maio 2010 | 08h06

Milhares de manifestantes ao longo da semana marcharam pedindo a renúncia do presidente René Préval e a saída das tropas da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), lideradas pelo general brasileiro Paul Cruz.

A denúncia interferiu no clima da tropa brasileira, habituada a elogios feitos à sua atuação no Haiti desde 2004. Na mesma semana, as tropas brasileiras anunciaram que uma apuração interna - prévia à investigação da ONU - concluiu que não houve excesso.

"Rechaço com veemência essas denúncias. Se isso tudo tivesse acontecido, nos afetaria tremendamente", disse o coronel Rêgo Barros, responsável pelo Batalhão Brasileiro 1. "Disparamos, sim, e a norma nos dá permissão em casos como esse, quando há risco para a tropa ou para terceiros. Também podemos entrar na universidade fazendo o uso escalonado da força. Foi usado material não letal. Fomos corretos."

Wimhurst, porém, disse não acreditar que um dos alunos que foi detido na operação "tenha sido tratado como um anjo". O Exército assegura que foi feito exame de corpo de delito no estudante antes de entregá-lo à polícia. Para o porta-voz da Minustah, a conclusão prévia é a de que "os militares brasileiros não deveriam ter entrado na faculdade". Wimhurst disse também que, no início da apuração, os militares disseram que não tinham jogado bombas, mas depois descobriu-se que 32 foram lançadas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
ONU Haiti

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.