ONU investiga possível comércio norte-coreano de armas com Síria

Um painel de especialistas da ONU que monitora o cumprimento de sanções à Coreia do Norte investiga relatos de possíveis embarques norte-coreanos de armas para Síria e Mianmar, afirmou o grupo em relatório confidencial obtido pela Reuters nesta quinta-feira.

LOUIS CHARBONNEAU E MICHELLE NICHOLS, REUTERS

17 Maio 2012 | 22h01

"A Coreia do Norte continua ativamente desafiando as medidas impostas pelas resoluções (de sanções da ONU)", disse o painel no relatório, que foi enviado nesta semana ao comitê do Conselho de Segurança da ONU que cuida das sanções aos norte-coreanos.

"Os Estados membros não comunicaram à comissão quaisquer violações que envolvam transferência de armas nucleares, produtos relacionados (armas de destruição em massa) ou itens de mísseis balísticos", afirmou. "Mas relatam várias outras violações, incluindo vendas ilícitas de armas, e bens relacionados, e produtos de luxo".

Os relatórios do painel são altamente delicados.

A China, que é apontada no documento como um local de trânsito das violações relacionadas às armas norte-coreanas ilícitas, evitou que o Conselho publicasse relatórios anteriores e pode fazer o mesmo com o mais recente, disseram enviados da ONU à Reuters.

"Embora (as sanções) não fizeram com que a Coreia do Norte suspendesse suas atividades proibidas, elas parecem ter reduzido o ritmo e tornado transações ilícitas significativamente mais difíceis e caras", apontou o relatório.

O painel afirmou que não poderia provar que a Coreia do Norte continuava mantendo a cooperação de mísseis balísticos com Irã, Síria e outros países, "mas observa que isso seria consistente com os relatos do longo histórico da Coreia do Norte de cooperação de mísseis com esses países e com as observações do painel."

Mais conteúdo sobre:
ONU COREIAN ARMAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.