ONU investigará se guerra contaminou meio ambiente

A Organização das Nações Unidas (ONU) irá investigar se os ataques dos Estados Unidos no Afeganistão estariam contaminando o meio ambiente e a população desses locais com urânio. ONGs que trabalham no Afeganistão alertaram a ONU de que as bombas norte-americanas estariam lançando partículas de urânio ao explodirem. A situação é uma repetição do que ocorreu na guerra do Kosovo e da Bósnia quando, anos depois dos ataques da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), os próprios soldados começaram a morrer contaminados pelo material radioativo. Um representante do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, afirmou que a organização está avaliando a possibilidade de enviar especialistas ao Afeganistão para investigar se as bombas de fato estariam contaminando o meio ambiente. "Estamos vendo de que forma essa investigação poderá ocorrer, mas os ataques ao Afeganistão ainda não acabaram completamente e não podemos fazer nada diante dessa situação", afirmou o representante. No Kosovo, as partículas de urânio acabaram contaminando rios e a ONU foi obrigada a isolar áreas e impedir que determinadas partes do território fossem usadas para atividades agrícolas. Apesar do anúncio da ONU, algumas agências das Nações Unidas evitam falar do assunto. Uma delas é a Organização Mundial da Saúde (OMS), que, ao mesmo tempo que insiste que está preocupada com a situação de saúde no Afeganistão, se recusa a fazer qualquer pronunciamento sobre os efeitos das bombas para a população local. No caso da população afegã, caso fique comprovada a existência do urânio, o perigo da contaminação seria grande. Metade da população que foi obrigada a deixar suas casas por causa da guerra vive fora dos campos organizados pela ONU. "Somente entre os refugiados afegãos no Paquistão, mais de 100 mil não recebem qualquer atendimento de saúde da ONU", afirmou um porta-voz do Alto Comissariado da ONU para Refugiados. Leia o especial

Agencia Estado,

11 Janeiro 2002 | 13h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.