ONU irá liberar US$ 1,5 bi em ativos da Líbia

Os Estados Unidos e a África do Sul chegaram a um acordo para que o Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU) libere US$ 1,5 bilhão em ativos líbios congelados para ajuda emergencial à Líbia, disseram diplomatas.

Agência Estado

25 de agosto de 2011 | 20h12

O acordo de última hora significa que os EUA não pressionarão por uma votação no Conselho para forçar a liberação do dinheiro. "Existe um acordo, por isso não acontecerá uma votação e o dinheiro será desbloqueado", disse um diplomata próximo às negociações à agência France Presse (AFP).

A África do Sul bloqueou a tentativa de liberar o dinheiro por mais de duas semanas, porque disse que canalizar os recursos ao governo dos rebeldes líbios poderia significar o reconhecimento do Conselho Nacional de Transição em Benghazi como legítimo governo do país do Magreb.

Nem a África do Sul e nem a União Africana (UA) reconheceram até agora o governo dos rebeldes líbios, cujos partidários tomaram grande parte da capital Tripoli enquanto tentam derrubar definitivamente o governante Muamar Kadafi.

Os US$ 1,5 bilhão congelados nos EUA são administrados pelo governo americano, o qual deseja enviar US$ 500 milhões a grupos humanitários internacionais, US$ 500 milhões ao Conselho Nacional de Transição para pagar salários e serviços essenciais e US$ 500 milhões a um fundo internacional para a Líbia, o qual pagará por combustíveis e outros itens emergenciais. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ONULíbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.