ONU lança apelo de milhões de dólares para a Somália

O Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU) lançou nesta segunda-feira um apelo para que doadores contribuam com centenas de milhões de dólares mais para que se possível comprar alimentos e remédios para as vítimas da fome na Somália.

Agência Estado

15 de agosto de 2011 | 16h45

A ONU informa já ter recebido a metade do dinheiro considerado necessário para ajudar a Somália e precisa de mais US$ 530 milhões para que a ajuda possa ser fornecida de maneira eficaz.

Numa declaração divulgada hoje, o CS da ONU também conclamou todos os grupos somalis a participarem de uma reunião entre os dias 4 e 6 de setembro para que seja elaborado um plano detalhado para consolidar a prestação de serviços públicos e desenvolver instituições governamentais no decorrer do próximo ano.

O CS da ONU observou que houve melhores em Mogadiscio e qualificou a instabilidade política no país como causa "da dura crise humanitária, do terrorismo, da pirataria e dos sequestros".

A Somália não tem governo central desde 1991, quando senhores da guerra derrubaram o ditador Mohamed Siad Barre e depois voltaram-se uns contra os outros.

Mais cedo, o Programa Mundial de Alimentação da ONU admitiu pela primeira vez que há dois meses investiga o roubo de alimentos na Somália.

Milhares de sacos de alimentos enviados para as vítimas da fome na Somália foram roubados e são vendidos no mercado negro na mesma região onde crianças esqueléticas em campos de refugiados imundos não têm o suficiente para comer, segundo uma investigação da Associated Press.

O Programa Mundial de Alimentação observou que a "escala e a intensidade" da crise alimentar não permitem a suspensão da ajuda e que interromper o envio de alimentos levaria a "muitas mortes desnecessárias". As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ONUSomáliaajuda

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.