ONU lança Plano de Prevenção de Genocídios

Para lembrar os dez anos dos massacres em Ruanda, o secretário-geral da ONU, Kofi Annan, lançou, em Genebra, um Plano para a Prevenção de Genocídios. A iniciativa poderá ter seu primeiro teste em breve: Annan alertou para a "limpeza étnica" que estaria ocorrendo no oeste do Sudão, região conhecida como Darfur, e não descartou que uma ação militar externa seja necessária para conter as mortes, que já chegam a 10 mil, e a crise humanitária que afeta mais de 1 milhão de pessoas.Pelo discurso de Annan, ficou claro a preocupação da ONU em evitar que mais um massacre ocorra diante da comunidade internacional sem que qualquer medida seja tomada. "Os riscos de um genocídio continuam reais", afirmou o secretário-geral da ONU, pedindo que os funcionários da entidade no Sudão tenham pleno acesso a pessoas e locais."Precisamos chegar às vítimas. Se isso for impedido, a comunidade internacional precisa estar preparada para tomar ações apropriadas. Por ações entendo uma série de passos que podem levar a uma ação militar", disse. Annan não deixou de criticar os governos que fazem parte da ONU pela falta de vontade política para atuar nas regiões mais remotas, a fim de evitar massacres.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.