ONU lembra ataque que matou Vieira de Mello

Há 10 anos, atentado em Bagdá matou diplomata brasileiro e 21 funcionários, expôs submissão de organismo a potências e travou sua ação em outras crises

Jamil Chade, Correspondente - O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2013 | 02h05

GENEBRA - Há exatos 10 anos, um ataque terrorista matou 22 funcionários das Nações Unidas em Bagdá, entre eles o brasileiro Sérgio Vieira de Mello, o chefe da missão da entidade internacional no Iraque, e deixou cicatrizes na própria organização. O atentado expôs a manipulação da ONU pelas grandes potências e, segundo funcionários, ainda impede sua participação mais efetiva em outras crises.

Documentos aos quais o Estado teve acesso indicam que o ataque dividiu a história da entidade. O atentado revelou o risco de a ONU se associar a potências, calou a entidade no Iraque e deu um ponto final ao que muitos dentro das Nações Unidas chamaram de "Era da Inocência" na organização - que hoje organiza no Rio um seminário em homenagem a Vieira de Mello.

O então secretário-geral da ONU, Kofi Annan, reagiu um ano depois do ataque, chamando a guerra no Iraque de "ilegal". Como retaliação, veria o governo americano revelar a corrupção dentro da ONU, ameaçando destitui-lo e, na prática, marginalizando as Nações Unidas das grandes decisões mundiais.

Telegramas, relatórios e documentos revelam uma ONU amedrontada, sem rumo e paralisada após o atentado. Em reuniões no dia 22 de agosto de 2006, o diplomata que substituiu o brasileiro, Ashraf Qazi, admitia que a ONU "continuava a enfrentar ameaças significativas". Em maio de 2007, um documento da diplomacia americana afirmava: "As atividades da missão da ONU no Iraque estão estagnadas nos últimos dois anos e o entusiasmo se evaporou". "Os esforços humanitários, o treinamento e a reconstrução da sociedade civil desapareceram", reconhecia o documento.

"Dentro da organização, a bomba parecia ter de alguma maneira prejudicado seriamente o multilateralismo", admitiu ao Estado uma ex-funcionária das Nações Unidas que pediu para não ser identificada.

A entidade teria de esperar a posse de Barack Obama para que, em campo, as ações começassem a mudar. Numa reunião com a representante do Conselho de Segurança Nacional americano, Samantha Power, o diretor do Alto-Comissariado da ONU para Refugiados no Oriente Médio, Radhouane Nouicer, afirmou, em março de 2009: "A falta de capacidade de tomar decisões está impedindo a ONU de ser ativa no Iraque. Chegou o momento de superar 19 de agosto e começar a trabalhar de novo".

Ex-funcionários e mesmo diplomatas que ainda percorrem os corredores da entidade admitem que a bomba ainda silencia a capacidade de ação da ONU na Síria, no Egito, no Afeganistão e no próprio Iraque.

Bastidores. Em março de 2003, Vieira de Mello acabara de assumir o cargo de alto-comissário da ONU para Direitos Humanos em Genebra. Foi chamado para uma rara reunião com o presidente dos EUA, George W. Bush, na Casa Branca. Semanas depois, foi anunciado que o brasileiro assumiria o cargo de representante da ONU no Iraque. Sua nomeação foi permeada por polêmicas. Ele recusou a oferta duas vezes. Na terceira, atendeu ao pedido de Annan.

A invasão do Iraque havia ocorrido sem autorização da ONU e, para os críticos, Bush queria que Annan o ajudasse a legitimar a ocupação. Vieira de Mello comandou uma missão sem mandato. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou a tentar impedir sua nomeação - o Brasil era contra a guerra.

Em 20 de junho de 2003, Vieira de Mello aproveitou uma passagem por Amã, na Jordânia, para conversar com o chanceler brasileiro, Celso Amorim. No encontro, deixou claro que estava preocupado. O pedido a Amorim era para que o Brasil ajudasse a dar uma resposta multilateral à missão da ONU no Iraque.

Um segundo atentado contra a ONU meses depois do ataque que matou Vieira de Mello faria com que a entidade abortasse sua missão e retirasse todos os seus 600 funcionários do Iraque. Levaria quase um ano para o substituto de Vieira de Mello desembarcar em Bagdá.

Abu Musab al-Zarqawi, líder da Al-Qaeda, assumiu anos depois o atentado que matou o brasileiro e reforçou o que os serviços de inteligência suspeitavam: a ONU havia se transformado em alvo de terroristas, em razão da percepção de que estava chancelando as ações de Bush.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.