ONU: mais de 20 mil fogem de violência étnica na África

A Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) informou hoje que mais de 20 mil pessoas fugiram do norte da República Democrática do Congo (ex-Zaire), para escapar de confrontos étnicos que deixaram 60 mortos. Um porta-voz do Acnur afirmou que a violência aparentemente envolveu direitos sobre terras para cultivo e também direitos de pesca.

AE-AP, Agencia Estado

10 Novembro 2009 | 18h43

A fonte disse que membros da etnia Munzaya começaram a fugir da província de Equateur, na República Democrática do Congo, após supostamente terem sido atacados por membros da tribo Enyele. Segundo testemunhas, milícias foram "de casa em casa, pilhando, estuprando e matando".

O porta-voz disse que funcionários do Acnur que trabalham perto da fronteira, no vizinho Congo - um pequeno país, também chamado de Congo-Brazzaville para diferenciá-lo do vizinho - podiam ainda observar a fumaça das casas queimadas na segunda-feira.

Mais conteúdo sobre:
ONU Congo África violência fuga

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.