ONU manterá merenda escolar de crianças haitianas nas férias

O Programa Mundial de Alimentação (WFP)manterá seus programas de merenda escolar no Haiti ao longo dosmeses de férias devido à grave falta de comida que atinge opaís em decorrência da crise global dos alimentos, afirmou adiretora-executiva do WFP na terça-feira. Josette Sheeran disse que o choque dos preços dascommodities tornava os produtos alimentícios cada vez menosacessíveis nos países pobres, significando que o orçamentodessa agência da Organização das Nações Unidas (ONU) precisariaser ampliado novamente neste ano. "No Haiti, as carências aumentaram de forma tão dramáticaque estamos triplicando o número de pessoas atendidas, o queincluiu estender os programas de merenda escolar durante overão", afirmou a diretora-executiva à Reuters, em umaentrevista. "Nos países muito vulneráveis, e neste momento denecessidade, as crianças não podem ficar sem a merenda duranteas férias de verão." Segundo Sheeran, a presença do presidente zimbabuano,Robert Mugabe, não deveria desviar o foco do encontrointernacional convocado pela ONU para debater a crise dosalimentos. Nesse evento, que ocorre em Roma, chefes de Estado eautoridades de grupos de ajuda realizam três dias de discussõesem torno da disparada do preço dos produtos alimentícios. "Nós estamos preocupados em chamar a atenção para esseproblema e garantir a permanência do fluxo de dinheiro",afirmou. Apesar de não ter citado explicitamente o nome de Mugabe,Sheeran disse ser importante que o Zimbábue supere a crisepolítica e econômica surgida durante o polêmico governo dele. "O Zimbábue era, alguns anos atrás, o maior produtor dealimentos do sul da África. Agora é um dos nossos maioresprogramas e hoje há muito mais pessoas dependentes ali. Nossaesperança é de que a situação no Zimbábue possa melhorar, bemcomo de que melhore em todo o mundo", disse adiretora-executiva. "A solução (para a fome) é a estabilização da situação deforma a permitir aos zimbabuanos famintos plantar e atender asuas necessidades." (Por Laura MacInnis)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.