ONU mudará funcionários ligados a fraude no Afeganistão

Após a confirmação de um segundo turno para as eleições no Afeganistão devido às fraudes no pleito, o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, afirmou que a ONU substituirá mais de 200 monitores suspeitos de fraudar o processo eleitoral. O ex-ministro de Relações Exteriores afegão Abdullah Abdullah também pediu ações do governo para impedir irregularidades massivas no segundo turno.

AE, Agencia Estado

21 de outubro de 2009 | 15h17

"Nós tentaremos substituir todos os funcionários que foram implicados em não obedecer os procedimentos ou foram cúmplices em processos fraudulentos", disse Ban. O secretário-geral prometeu um segundo turno "transparente e confiável". Uma comissão investigativa respaldada pela ONU confirmou nesta semana que houve muitas fraudes. Com isso, o presidente Hamid Karzai não conseguiu se reeleger em primeiro turno e enfrentará Abdullah na segunda votação.

Abdullah disse que a nova votação é "o único cenário" sob consideração no momento, em meio a especulações sobre um possível governo de coalizão, após dois meses de impasse político.

O enviado da ONU em Cabul, o diplomata norueguês Kai Eide, disse que a comunidade internacional prevê alguns problemas, enquanto a Europa advertiu para o baixo número de monitores. "Esse não será um segundo turno perfeito. Esse é um país em conflito e temos que nos lembrar disso", disse Eide à emissora Al-Jazira.

Os organizadores enfrentam uma corrida contra o tempo para preparar o segundo turno de 7 de novembro, no momento em que o Taleban realiza vários ataques no país. Além disso, o presidente Barack Obama avalia se envia mais tropas norte-americanas para a guerra contra os insurgentes.

O segundo turno terá que ocorrer rapidamente, pois a chegada do inverno no país é iminente e nessa época muitas áreas ficam inacessíveis. As cédulas eleitorais haviam sido impressas anteriormente. Observadores esperam também um baixo comparecimento. No primeiro turno, apenas 38,7% dos eleitores afegãos votaram, porcentagem que inclui os votos agora considerados fraudados. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.