Arte/estadao.com.br
Arte/estadao.com.br

ONU não chega a consenso sobre sanção à Coreia do Norte

Conselho continuará discussões; Pyongyang lança foguete que pode carregar míssil e agrava tensão com vizinhos

Agências Internacionais,

05 de abril de 2009 | 19h16

A reunião do Conselho de Segurança da ONU terminou neste domingo, 5, sem decidir sobre qual  resposta dar à Coreia do Norte pela crise criada com o lançamento de um foguete norte-coreano de longo alcance nesta madrugada. Os países membros do conselho decidiram continuar as discussões sobre qual sanção aplicar ao país. "Os membros do Conselho de Segurança concordaram em continuar a discutir sobre a reação apropriada a ser tomada de acordo com as responsabilidades do órgão e diante da urgência da questão", afirmou o embaixador do México na ONU, Claude Heller.

 

Veja também:  

linkCoreia do Norte dispara foguete e aumenta tensão na região

link Conselho Segurança da ONU convoca reunião de emergência

video Roberto Godoy analisa a tensão entre Pyongyang e EUA

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

lista Cenário: Até onde vai a tensão com a Coreia do Norte?

 

A China defende uma reação "cuidadosa" e "proporcional" à Coreia do Norte, segundo o embaixador do país na ONU, Zhang Yesui. Os países ocidentais desconfiam que o lançamento seja um disfarce para testar mísseis balísticos intercontinentais. Mais próximos de Pyongyang do que dos EUA, Japão e Coreia do Sul, Pequim e Moscou pediram calma após o lançamento do foguete.

 

Após o lançamento do foguete, a ONU decidiu convocar uma reunião de emergência neste domingo a pedido do Japão. A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, tentou construi um consenso internacional para condenar o lançamento do foguete e falou antes do encontro por telefone com chanceleres da Rússia, China e do Japão.

 

"A Coreia do Norte quebrou as regras novamente. Esta violação deve ser punida e receber uma resposta enérgica da comunidade internacional", disse o presidente americano. Obama ainda acusou Pyongyang de ignorar suas obrigações internacionais. " O país deu as costas aos pedidos de moderação e se isolou ainda mais", disse Hillary.

 

A Coreia do Sul qualificou o lançamento do foguete como um ato imprudente. Para o Japão, a atitude norte-coreana foi extremamente lamentável. A União Europeia condenou com firmeza o teste.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, que é sul-coreano, disse que o lançamento não era propício para a estabilidade mundial e pediu que Pyongyang retome a negociação das seis partes, que envolve Japão, China, Rússia, EUA e Coreia do Sul.

 

O foguete foi lançado de uma base no nordeste da Coreia do Norte nesta madrugada. O governo local sustenta que o dispositivo carregava um satélite de comunicações, que teria sido colocado em órbita com sucesso. Fontes militares dos EUA e da Coreia do Sul, no entanto, não identificaram nenhum novo satélite orbitando a Terra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.