ONU não deve voltar tão cedo a Bagdá, diz enviado

A ONU não abandonou o Iraque e tem planos de reabrir seus escritórios em Bagdá na data mais próxima possível, mas a persistente violência torna improvável um retorno rápido, disse o novo enviado especial da entidade ao país árabe. A ONU fechou seu principal escritório em Bagdá e retirou do Iraque a maior parte de seus funcionários depois de um atentado em 19 de agosto ter causado a morte de 22 pessoas, inclusive o chefe da missão da entidade no país, o diplomata brasileiro Sérgio Vieira de Mello.Seu substituto interino, o neozelandês Ross Mountain, comentou que não sabe quando o escritório da ONU em Bagdá voltará a funcionar. "Obviamente, gostaríamos de retornar assim que pudermos, mas isso depende muito da forma como a situação evoluirá", ponderou Mountain em entrevista à emissora de rádio australiana ABC, horas depois de sua indicação formal. "As coisas não foram muito promissoras nos últimos dias."Mountain esclareceu que a ONU não deixou completamente o país e ainda possui funcionários estrangeiros no norte do Iraque, além de milhares de funcionários locais que viabilizam os programas de ajuda humanitária por todo o território iraquiano. "Não ficaremos de fora disso", comentou. "Faremos coisas através da fronteira, enviando missões e suprimentos. O telefone existe para isso."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.