ONU não pretende aumentar equipe no Iraque

O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, praticamente descartou a possibilidade de enviar uma missão numerosa ao Iraque "no futuro previsível", devido ao aumento da violência e dos seqüestros em território iraquiano. Annan pediu a libertação imediata dos civis feitos reféns e maiores esforços para reduzir a violência, de modo que a transferência de poderes da coalizão liderada pelos EUA para os iraquianos possa efetivar-se em 30 de junho, tal como previsto.Annan disse não acreditar que a data de 30 de junho possa ser alterada, uma opinião que compartilha com o governo dos EUA. A data "foi acolhida com entusiasmo pelos próprios iraquianos, que estão ansiosos para ver o final da ocupação o mais rápido possível, e acho que vai ser difícil adiá-la", disse Annan. Segundo Annan, o aumento das hostilidades tornou as coisas "bem mais difíceis" para a pequena delegação das Nações Unidas no país, chefiada por Lakhdar Brahimi. Brahimi, que foi chanceler argelino, manteve conversações com líderes políticos, religiosos, acadêmicos, profissionais e civis durante os últimos nove dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.