ONU ordena congelamento de bens dos membros do Taleban

As Nações Unidas ordenaram na terça-feira o congelamento, em âmbito mundial, das contas de cada um dos membros do ex-governo taleban no Afeganistão. A medida faz crescer a lista de indivíduos e organizações cujos bens foram bloqueados após os atentados terroristas de 11 de setembro. A nova lista inclui 152 funcionários talebans, entre eles o fundador do movimento, o mulá Mohammad Omar, além de outros funcionários tanto de nível ministerial como de nível local. Na medida estão incluídas as contas de negócios relacionados com o Afeganistão, entre elas uma localizada em um sucursal do Citibank em Nova Delhi, na Índia. A lista, que incorpora muitos nomes divulgados pelo governo do presidente George W. Bush como parte da campanha contra o terrorismo, foi feita pela comissão do Conselho de Segurança, encarregada de vigiar o cumprimento, por todos os Estados-membros da ONU, das resoluções obrigatórias do Conselho. O governo de Bush tenta fazer com que outros países respondam às listas publicadas até o momento. Uma instituição de caridade saudita aparece na lista, assim como toda a rede financeira Al-Barakaat - uma empresa de transferência de fundos da Somália com operações nos EUA que, segundo o presidente Bush, é usada pela rede terrorista Al-Qaeda de Osama bin Laden. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.