ONU pede a Coreia do Norte que retome negociações

Secretário-geral da organização, Ban Ki-moon, pede ação do Conselho de Segurança em relação a Pyongyang

Agência Estado, Dow Jones e Reuters,

26 de maio de 2009 | 09h33

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse nesta terça-feira, 26, que a Coreia do Norte deve retornar às negociações com seus vizinhos e com os EUA depois de realizar novos testes nuclear e com mísseis. Ban pediu ainda que o Conselho de Segurança da ONU tome "as medidas necessárias" contra a Coreia do Norte.

 

Veja também:

Coreia do Norte dispara 2 mísseis de curto alcance

Teste mostra domínio de todos os estágios

EUA: Coreia do Norte 'pagará' se continuar ensaios

China diz não ter influência sobre Pyongyang

video TV Estadão: Roberto Godoy analisa o novo teste nuclear do país

especial Especial: As armas e ambições das potências nucleares

especialLinha do tempo da ameaça nuclear norte-coreana

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

 

"Eu sinceramente espero que o Conselho de Segurança seja capaz de tomar as medidas necessárias relativas à gravidade da situação", afirmou Ban em discurso ao Parlamento da Finlândia. O segundo teste nuclear norte-coreano viola resoluções da ONU. O país realizou o primeiro ensaio do tipo em 2006. "Essa ação norte-coreana vai de encontro aos atuais esforços internacionais para conter a proliferação de armas nucleares", apontou Ban aos legisladores finlandeses. "Nós devemos todos mostrar firmeza diante dessas sérias violações, que ameaçam minar a paz e a segurança em nosso mundo."

 

Em encontro com a presidente da Finlândia, Tarja Halonen, Ban pediu à Coreia do Norte que volte à mesa de negociações. "A única opção viável neste momento para a Coreia do Norte continuar sendo um membro responsável da comunidade internacional é voltar à mesa de diálogo", disse Ban em entrevista coletiva em Helsinque. Porém evitou comentar que tipo de medidas deveriam ser tomadas contra o país. "Eu deixarei isso para o Conselho de Segurança decidir", disse.

 

O Conselho de Segurança, com cinco membros permanentes com poder de veto - Estados Unidos, França, Rússia, China e Reino Unido - e dez membros rotativos, sem poder de veto, condenou por unanimidade o teste nuclear norte-coreano. Agora, deve discutir mais medidas para punir o país comunista. A Rússia disse nesta terça-feira acreditar que a Coreia do Norte irá enfrentar uma resolução dura da ONU, porque a reputação do Conselho de Segurança está em jogo, segundo a agência de notícias Interfax.

 

Novos testes

 

A Coreia do Norte, desafiando as condenações internacionais a seu mais recente teste nuclear, disparou dois mísseis de curto alcance a partir da costa leste do país nesta terça-feira. Segundo a agência de notícias sul-coreana Yonhap, uma fonte do governo da Coreia do Sul disse que o Norte testou dois mísseis, um terra-ar e um terra-mar. O alcance dos mísseis seria de 130 quilômetros.

 

Na segunda-feira a Coreia do Norte lançou três mísseis de curto alcance após realizar seu segundo teste nuclear, após o primeiro em 2006.  Os atos norte-coreanos despertaram reações severas das potências regionais e o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, considerou o programa armamentista nuclear de Pyongyang uma ameaça à segurança internacional.

Tudo o que sabemos sobre:
ONUprograma nuclearCoreia do Norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.