ONU pede à Somália que acabe com compra de votos

O representante da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Somália disse nesta segunda-feira que os congressistas do país precisam parar de comprar votos. Tais alegações rodeiam o governo da Somália por anos, mas é incomum para a ONU tomar a posição de denunciar a prática publicamente.

Estadão Conteúdo

03 Novembro 2014 | 15h57

"Estou preocupado com as alegações de que membros do Congresso estão pedindo votos em troca de dinheiro", afirmou Nicholas Kay, o representante da ONU. Ele se refere especificamente à compra de votos para que os parlamentares indiquem ao governo que não têm confiança no primeiro-ministro Abdiweli Sheikh Ahmed, um rival do presidente.

Em seu depoimento, Kay acrescentou que está preocupado com as tensões políticas entre os dois líderes. No início desta segunda-feira, o presidente divulgou uma declaração afirmando que aprecia a preocupação da comunidade internacional, mas que a ONU deve cuidar de seus próprios problemas.

"A Somália precisa obter permissão para liderar sua própria transformação", disse o presidente. "Eu peço respeito ao direito de soberania da Somália, protegido e explicado na Constituição Federal Provisória, de determinar o seu próprio futuro, um futuro a ser determinado pelo povo da Somália, nossas instituições federais e nosso Legislativo", acrescentou.

Kay disse que a ONU permanece comprometida em ajudar a Somália a formar uma nova Constituição e realizar eleições em 2016, mas que o governo atual coloca tais metas em risco. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
ONUSomáliavotoseleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.