ONU pede bilhões para ampliar ajuda humanitária

Representantes das agências da Organização das Nações Unidas (ONU) em Amã detalharam hoje os planos para "a maior operação humanitária da história", a ser colocada em marcha no Iraque, assim que as condições de segurança permitirem. Os coordenadores e porta-vozes das diversas agências que atuam no Iraque, transferidos para Amã por causa da guerra, fizeram um apelo por doações da comunidade internacional para custear o programa, orçado em US$ 2,1 bilhões.A maior parte dos recursos - US$ 1,3 bilhão - será destinada à compra de alimentos suficientes para seis meses, e sua distribuição durante três meses. "Estimamos que, depois disso, o governo iraquiano possa montar seu próprio programa de distribuição", disse o porta-voz do Programa Mundial de Alimentos (WFP), o egípcio Khaled Mansour, sem entrar em detalhes sobre que governo seria esse. "São as autoridades que estiverem controlando cada região, sejam elas americanas ou iraquianas", explicou um funcionário do WFP.No Iraque, 60% da população - ou cerca de 16 milhões de pessoas - depende da distribuição de alimentos para sobreviver. Com o início do conflito, o programa Petróleo por Alimentos foi suspenso.Resolução do Conselho de Segurança aprovada na sexta-feira prevê sua retomada, quando as condições no terreno possibilitarem. O WFP calcula que os estoques de comida das famílias iraquianas durem até o fim de abril. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.