ONU pede diálogo para resolver conflitos na Caxemira

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, expressou preocupações nesta quinta-feira em relação à escalada da violência na fronteira entre a Índia e o Paquistão. A região foi cenário de troca de tiros e de ataques de morteiros nos últimos dias.

MARCELLA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES DA ASSOCIATED PRESS, Estadão Conteúdo

09 de outubro de 2014 | 20h32

"O secretário-geral lamenta as mortes e o deslocamento de pessoas desalojadas em ambos os lados", afirmou um porta-voz de Ban Ki-moon.

Os conflitos recentes entre os dois países começaram há uma semana e se intensificaram progressivamente. A estimativa da ONU é que 20 pessoas tenham morrido e milhares tenham sido deslocadas. Autoridades locais classificaram os episódios como a pior violação do cessar-fogo instituído em 2003.

Em sua declaração, Ban Ki-moon encorajou os governos da Índia e do Paquistão a resolverem as diferenças por meio de diálogo e "empenharem-se construtivamente em encontrar uma solução para paz e estabilidade na Caxemira".

As Nações Unidas têm mantido a presença na região. Seguindo uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, um grupo de observação monitora e relata violações do cessar-fogo na linha de controle e na fronteira com países vizinhos. Atualmente o grupo conta com 40 observadores militares, além de membros civis na equipe.

Tudo o que sabemos sobre:
ONUÍndiaPaquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.