ONU pede dinheiro para reconstruir forças armadas afegãs

A Organização das Nações Unidas (ONU) pede recursos da comunidade internacional para reconstruir as Forças Armadas do Afeganistão. "Há focos de instabilidade no país e membros do Taleban continuam gerando problemas de segurança para o atual governo. Precisamos estar equipados para enfrentar esse problema", afirmou à Agência Estado o ministro de Relações Exteriores do Afeganistão, Abdullah Abdullah. Em uma reunião ontem em Genebra, o enviado da ONU para o Afeganistão, Lakhdar Brahimi, pediu que cerca de US$ 400 milhões fossem doados pelos países para a reconstrução do exército, aeronáutica e da polícia civil. "São elementos indispensáveis e urgentes para a sobrevivência do governo", explicou Brahimi, que lembrou que as forças armadas serão compostas pelas várias etnias do Afeganistão. Segundo o plano da ONU, a recontrução das forças armadas ficaria sob a responsabilidade dos Estados Unidos. "Estamos pedindo a autorização do Congresso norte-americano para financiar a reconstrução do exército", explicou um diplomata norte-americano. Os custos para treinar, equipar e manter 68 mil homens chegariam a US$ 235 milhões e a Casa Branca arcaria com US$ 50 milhões. FronteirasCerca de 12 mil homens ainda teriam de ser treinados para monitorar os 7 mil quilômetros de fronteiras afegãs. "Controlando as fronteiras, controlaremos também o tráfico de drogas e de armas", afirmou um funcionário do governo interino do Afeganistão. Já a criação da polícia civil, com cerca de 70 mil homens, seria comandada pela Alemanha. O custo, nesse caso, seria de US$ 187 milhões e países como Turquia, Índia e Paquistão prometeram ajudar no treinamento. Além da criação das forças armadas, outro plano da ONU é desmobilizar cerca de 250 mil afegãos que lutaram nos conflitos, mas que até agora não foram reintegrados à sociedade. "Isso poderá custar cerca de US$ 70 milhões", afirma Brahimi. JustiçaPara o enviado da ONU, um importante elemento ainda será o fortalecimento da Justiça local. Para isso, as Nações Unidas pedem recursos no valor de US$ 70 milhões para o plano que seria liderado pela Itália. Um dos problemas enfrentados pela ONU, porém, é a relutância dos países em fazer doações para a criação de um exército. Por enquanto, a maioria dos governos apenas prometeu ajudar, mas os planos das Nações Unidas para reconstruir a segurança do Afeganistão continuam sem um financiamento. "A comunidade internacional deve ajudar o governo do Afeganistão a se capacitar para garantir sua própria segurança", completou Abdullah.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.