ONU pede para Obama manter estratégia no Afeganistão

O diretor da missão diplomática da Organização das Nações Unidas (ONU) no Afeganistão, Kai Eide, disse que o presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, deve opor-se aos pedidos de mudança de estratégia em território afegão, concentrando-se, em vez disso, na implementação da estratégia já adotada. "Meu apelo não é pela discussão de uma grande estratégia, é pela implementação de esforços concretos", disse Eide em entrevista no complexo da ONU em Cabul.Eide fez advertências sobre uma mudança de rumo. "Nosso problema não é que precisamos de uma nova estratégia...O que acontece muito frequentemente é que concordamos com algo, não implementamos essa ideia e dizemos, então, que algo deve estar errado com a estratégia", apontou. "Este não é o caso. O problema é com a implementação."Obama prometeu retirar as tropas norte-americanas do Iraque e enviar mais soldados ao Afeganistão, para onde militantes com ligações com o Taleban e a Al-Qaeda retornaram nos últimos anos. O vice-presidente eleito dos EUA, Joe Biden, que viajou pela região no início deste mês, disse que "as coisas vão ficar mais difíceis no Afeganistão antes de começarem a melhorar".Houve aumento do número ataques insurgentes no Afeganistão em 2008, na comparação com o ano anterior, e cerca de 6.400 pessoas, a maioria militantes, morreram no ano passado como resultado da insurgência. A piora do cenário no Afeganistão forçou os Estados Unidos a planejarem o envio de mais 30 mil soldados para o país da Ásia central neste ano.No país, há cerca de 32 mil soldados norte-americanos e outros 32 mil da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e das tropas de coalizão, o maior número de militares desde que a invasão, liderada pelos Estados Unidos derrubou o Taleban do poder em 2001.Helicóptero - O Exército dos Estados Unidos informou que um helicóptero Black Hawk caiu hoje nas proximidades de Cabul, mas não há mortos nem atividade inimiga envolvida no acidente. Todos os sete ocupantes da aeronave sobreviveram e estão "a salvo e em segurança", informaram os militares em comunicado. O helicóptero estava a caminho de uma missão médica. O comunicado não informa as causas do acidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.