ONU pede que Hamas suspenda penas de morte

A chefe da Organização das Nações Unidas para direitos humanos, Navi Pillay, pediu nesta quarta-feira que os militantes do grupo Hamas ("Movimento de Resistência Islâmica") suspenda uma série de execuções planejadas após o fim do muçulmano de Eid al-Fitr.

AE, Agência Estado

14 de agosto de 2013 | 10h29

"Eu estou profundamente preocupada com a possibilidade de que as execuções possam ser feitas durante as próximas semanas em Gaza e peço com urgência para as autoridades de fato que não sigam em frente com as sentenças de morte", disse Pillay em um comunicado.

O feriado de Eid al-Fitr, que marca o fim do mês do Ramadã, terminou no domingo.

Durante o mês do Ramadã, autoridades do Hamas haviam dito que as execuções ocorreriam depois do feriado, mas não deram uma data específica.

Pillay descreveu o processo judicial em Gaza como algo severamente problemático. "Estou preocupada com o processo pelo qual as sentenças de morte foram impostas por tribunais militares e civis na Faixa de Gaza", disse ela.

"Sérias preocupações também têm sido levantadas sobre maus-tratos e tortura durante os interrogatórios de pessoas, mais tarde condenadas à morte."

Pillay também afirmou que a legislação internacional de diretos humanos exige um padrão rigoroso para tribunais sobre caso onde a sentença de morte é aplicada. "Uma exigência absoluta é que a pena de morte só pode ser imposta depois de um julgamento justo. Atualmente, isso não é possível em Gaza, nem legalmente, nem na prática", disse ela. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
onuhamas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.