ONU pede que Quirguistão mantenha eleições mesmo com atuais conflitos

Pelo menos 171 pessoas morreram e mais de 100.000 já se refugiaram no Usbequistão desde quinta-feira

15 de junho de 2010 | 12h36

BISHKEK - As Nações Unidas e a União Europeia pediram nesta terça-feira, 15, ao Quirguistão que não permita que os atuais conflitos étnicos impeçam que um importante referendo constitucional e eleições parlamentares aconteçam.

 

A empobrecida parte sul do país centro-asiático tem sido convulsionado por dias de motins étnicos contra as minorias usbeques, que deixaram a segunda maior cidade do país, Osh, em ruínas e levou mais de 100.000 usbeques a fugirem em direção à fronteira.

 

O governo interino do Quirguistão, que assumiu quando o ex-presidente Kurmanbek Bakiyev foi deposto em um levante em abril, tem sido incapaz de pôr fim à violência e acusou a família de Bakiyev de instigá-la para deter um referendo em 27 de junho sobre uma nova Constituição. A maioria dos usbeques apoia o governo interino, enquanto muitos quirguizes no sul têm apoiado Bakiyev.

 

O Ministério da Saúde disse nesta terça-feira que o número de mortos no confronto chegou a 171, com cerca de 1.800 feridos. Observadores acreditam que os números reais podem ser muito maiores. Muitos refugiados que chegam no Usbequistão têm ferimentos de bala, disseram autoridades.

 

O representante da ONU, Miroslav Jenca, disse nesta terça-feira em Bishkek que o referendo de 27 de junho as eleições parlamentares em outubro deve ir adiante, apesar da violência étnica.

 

"O referendo e as eleições devem ser realizadas nas datas anunciados", disse Jenca. O embaixador da Alemanha para o Quirguistão, Holger Green, disse que a UE compartilha dessa posição.

 

Os conflitos no sul do país começaram na quinta-feira, quando multidões de etnia quiguiz incendiaram casas e empresas de etnia usbeque. Muitas seções de Osh, uma cidade de 250 mil habitantes, foram completamente queimadas desde então, e a violência tem se espalhado em torno das cidades e regiões.

 

Dezenas de milhares de usbeques tiveram a entrada no Usbequistão permitida, onde estão sendo colocados em alojamentos improvisados em 30 campos diferentes, perto da fronteira. Alguns acampamentos foram centradas na cidade de Andijan.

 

Jenca disse nesta terça-feira que autoridades do Usbequistão contaram pelo menos 100.000 refugiados, mas não estava claro de que lado da fronteira estavam.

 

Jallahitdin Jalilatdinov, que dirige o Centro Nacional Usbeque no Quirguistão, disse à Associated Press na segunda-feira que pelo menos 100.000 usbeques estavam esperando para entrar no Usbequistão, enquanto outros 80 mil cruzaram a fronteira. O governo usbeque disse 45.000 já haviam sido registrados.

 

A administração da cidade de Jalal-Abad no sul do Quirguistão contou 20.000 pessoas concentradas na fronteira do Usbequistão, e espera "muito mais do que isso" na região vizinha Osh, disse o porta-voz Klaya Tapkeyeva. Autoridades de Osh não puderam ser imediatamente contatadas para comentar.

 

Água e eletricidade em Jalal-Abad foram parcialmente restauradas, e os locais foram cuidadosamente saindo de suas casas para observar os danos, disse Tapkeyeva à AP. As tropas do Ministério do Interior estavam patrulhando a cidade, impedindo qualquer tipo de manifestações públicas.

 

Tapkeyeva disse que não considera a cidade segura, e disse temer ataques novamente.

 

A Organização para a Segurança e Cooperação na Europa, entretanto, reconheceu a "estabilidade frágil" no sul, mas pediu maior policiamento para permitir que a ajuda alcance os necessitados.

"Não é fácil entregar a ajuda humanitária por causa da situação de segurança", disse o enviado especial da OSCE Janibek Karibjanov em Bishkek.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.