ONU pede US$ 7,4 bi em ajuda humanitária para 2011

A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou hoje seu maior apelo por ajuda humanitária. A entidade afirmou que necessita de US$ 7,4 bilhões no próximo ano para fornecer auxílio a mais de 50 milhões de pessoas em 28 países.

AE, Agência Estado

30 de novembro de 2010 | 11h43

"Em nome dos milhões de pessoas que necessitam de ajuda urgente e de centenas de organizações que se uniram para delinear esses planos, eu apelo por US$ 7,4 bilhões para ajudar algumas das pessoas mais vulneráveis do mundo a sobreviver aos efeitos de desastres e conflitos", escreveu o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, na introdução do documento com o pedido de ajuda.

A maior parcela do pedido - US$ 1,7 bilhão - irá para o Sudão, onde milhões de pessoas estão desabrigadas apenas na região de Darfur. A maioria do dinheiro deve ir para comida e moradias, e a ONU nota que os esforços de ajuda irão continuar a salvar vidas, mas também devem preparar os países para que se fortaleçam contra futuros choques.

As catástrofes naturais no Paquistão e no Haiti, atingidos por uma grande enchente e um violento terremoto, respectivamente, também exigirão quase US$ 2 bilhões no total. No Paquistão, milhões de pessoas perderam suas casas pelas enchentes e agora não conseguem encontrar água potável ou tratamento de saúde nem condições sanitárias adequadas. No Haiti, além do terremoto de janeiro, há uma epidemia de cólera ocorrendo desde outubro, que já matou 1.721 pessoas. O país caribenho sofre com a falta de água e de coleta de esgoto adequada.

Outros países ou regiões abrangidas pelo apelo incluem Congo, Afeganistão, territórios palestinos, Somália, Quênia, Chade, Zimbábue, o oeste da África, Iêmen, Níger, República Central Africana, Quirguistão e Djibuti. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.