ONU pode convocar Assembléia para discutir Oriente Médio

Vários países simpatizantes dos palestinos pediram, nesta quarta-feira, a convocação urgente da Assembléia Geral da ONU para debater os 15 meses de conflito entre palestinos e israelenses. O pedido do Egito, em nome dos países árabes e da África do Sul, que lidera o Movimento dos Não-Alinhados, foi formulado quatro dias após os EUA vetarem uma resolução do Conselho de Segurança (CS) apoiada pelos palestinos. O presidente da Assembléia Geral, o chanceler sul-coreano Han Seung-soo, enviou carta aos 189 membros da entidade mundial, informando-lhes sobre a petição. A sessão de emergência ocorreria nesta quinta-feira à tarde, disseram funcionários da ONU. "É lamentável que a Assembléia Geral seja inutilizada como foro pela liderança palestina para evitar combater os grupos terroristas nos territórios controlados pela Autoridade Palestina, como exige a quase totalidade da comunidade internacional", disse Ariel Milo, porta-voz da embaixada de Israel perante a ONU. A resolução vetada pelos EUA no CS teria condenado as "ações terroristas" contra israelenses e palestinos, além de pedir a cessação da violência e a criação de um "mecanismo de vigilância", que envie observadores internacionais à região - ao que Israel se opõe.A proposta foi apoiada por 12 dos 15 membros do conselho, com a abstenção da Grã-Bretanha e da Noruega. O embaixador americano, John Negroponte, disse que vetou a resolução porque ela se destinava a isolar politicamente Israel e por não ter mencionado os recentes ataques suicidas contra o Estado judeu nem as organizações por eles responsáveis - entre elas, o Hamas e a Jihad Islâmica, ambas consideradas grupos terroristas por Israel, EUA e os países da União Européia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.