ONU prepara retirada das tropas da República Democrática do Congo

Segundo Ban, saída dos 22 mil soldados do instável país em 3 anos atende a pedido do presidente

05 de abril de 2010 | 19h00

Efe

 

GENEBRA- O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, propões nesta segunda-feira, 5, uma retirada escalonada em três anos da missão de paz na República Democrática do Congo (MONUC), a maior do organismo mundial, com 22.000 efetivos.

 

Em um informe enviado ao Conselho de Segurança, Ban afirma que o plano responde ao pedido do presidente congolês, Joseph Kabila, de que a ONU o apresente uma proposta para a retirada completa da MONUC de seu território antes de junho.

 

O prazo de três anos é maior do que o governo deseja. Kabila gostaria que as tropas deixassem o país em 2011, pois a República Democrática do Congo (RDC) comemora neste ano 50 anos de independência da Bélgica e o presidente gostaria de reduzir a presença militar internacional para reafirmar a autoridade da nação.

 

No comunicado, Ban propõe ao Conselho que autorize uma redução de 2.000 soldados nas províncias ocidentais e centrais do país já em junho. As duas regiões são as mais estáveis e pacíficas do país.

 

O secretário-geral adverte, no entanto, que os técnicos da ONU consideram que o Exército e as forças de segurança congolesas não têm capacidade de manter a estabilidade na região oriental, onde há vários grupos armados em atividade.

 

Os capacetes azuis desta área colaboram com as operações militares congolesas contra os rebeldes das Forças Democráticas para a Libertação de Ruanda (FDLR).

 

Eles também enfrentam os guerrilheiros ugandenses do Exército de Liberação do Senhor (LRA), que na semana passada foi acusado pela ONG Humans Right Watch de cometer um assassinato em massa de 321 civis em dezembro, em uma zona remota do nordeste do país.

 

Em um outro sinal da frágil estabilidade do país, tropas congolesas apoiadas pela MONUC recuperaram hoje o controle do aeroporto da cidade de Mbandaka, no noroeste do país, ocupado no domingo por rebeldes da etnia enyele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.