ONU prepara saída de pessoal em meio à crise na Costa do Marfim

A ONU iniciou nesta terça-feira os preparativos para uma retirada parcial de funcionários da Costa do Marfim num momento em que líderes de países vizinhos, na África Ocidental, tentam aplacar uma luta de poder entre dois candidatos que se declaram vencedores da eleição presidencial.

DAVID LEWIS E JOE BROCK, REUTERS

07 de dezembro de 2010 | 13h12

Divergências sobre os resultados da votação realizada no dia 28 na Costa do Marfim, o maior produtor mundial de cacau, elevou o risco de mais violência em um país ainda dividido após a guerra civil de 2002-03.

Na semana passada a Comissão Eleitoral da Costa do Marfim declarou vitorioso o oposicionista Alassane Ouattara, mas a Corte Constitucional anulou essa decisão e considerou vencedor o presidente Laurent Gbagbo, que logo depois tomou posse para um novo mandato.

Ouattara não reconheceu a decisão da corte e formou um governo paralelo.

"É uma realocação provisória de funcionários não essenciais... Temos tensão agora. É um procedimento normal. É uma realocação normal", disse o porta-voz da missão da ONU no país, Hamadoun Touré, comentando os planos de remoção de 600 pessoas para Gâmbia e Senegal.

A ONU mantém na Costa do Marfim cerca de 10 mil soldados das forças de paz.

O clima ficou tenso depois que confrontos pós-eleitorais com forças de segurança deixaram pelo menos dez mortos, mas Abidjã, principal cidade do país, parece calma, sem ter sua rotina abalada.

"Estamos em crise há muitos anos, por isso, não há nada de novo", disse o advogado Herman Dirabou, na fila para pagar uma conta de telefone, perto de uma mulher que vendia comida na rua.

"Talvez agora, com dois presidentes, tenhamos duas vez mais realizações", disse ele, brincando, acrescentando em seguida: "Espero que achem um meio de sair dessa situação."

(Reportagem adicional de Tim Cocks)

Tudo o que sabemos sobre:
ONUCOSTAMARFIM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.