ONU prevê novo recorde de cultivo de papoula no Afeganistão

O cultivo de papoula no Afeganistão deve voltar a aumentar em 2007, um ano depois de a colheita ter batido recorde histórico, informou nesta segunda-feira a Agência de Prevenção ao Crime e ao Tráfico de Drogas das Nações Unidas.A previsão da agência subordinada à ONU expõe a fragilidade da mobilização internacional contra a expansão do mercado de drogas ilícitas em solo afegão. A papoula serve de matéria-prima para o ópio e para a heroína. Sozinho, o Afeganistão abastece 90% do mercado mundial da substância.A Agência de Prevenção ao Crime e ao Tráfico de Drogas da ONU prevê o aumento do cultivo de papoula em uma série de províncias, inclusive em Helmand, no sul do país, onde há constantes episódios de violência entre rebeldes afegãos e soldados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).Num relatório divulgado hoje em Cabul, a agência informou que uma recente sondagem promovida pela ONU constatou evidências consistentes de que o mercado de drogas ilícitas floresceu nas regiões afegãs onde a segurança é mais precária."A pesquisa de inverno sugere que o cultivo de ópio no Afeganistão em 2007 não ficará abaixo da plantação recorde de 165.000 hectares em 2006", escreveu Antonio Maria Costa, diretor-executivo da agência, no prefácio do documento.No ano passado, o cultivo de papoula em solo afegão aumentou alarmantes em 59%, elevando os temores de que o Afeganistão estaria se transformando em ritmo acelerado em um narco-Estado.Entre 1996 e 2001, período durante o qual a milícia fundamentalista islâmica Taleban dominou a maior parte do Afeganistão, o cultivo de papoula no país foi reduzido a quase zero.Atualmente, autoridades locais acusam milicianos do Taleban de oferecerem proteção aos plantadores do sul do país em troca de participação nos lucros para financiar sua insurgência.De acordo com o levantamento da ONU, havia cultivo de papoula em todas as aldeias visitadas em Helmand e em 93% dos vilarejos de Kandahar. O Taleban possui ampla presença em ambas.O estudo também constatou um aumento acentuado do cultivo em Nangarhar - província divulgada nos últimos anos como exemplo do êxito dos esforços para convencer os fazendeiros a substituir a papoula por cultivos lícitos -, Kunar e Uruzgan.Apesar da tendência de aumento, os pesquisadores da ONU constataram redução das áreas de cultivo dedicadas à papoula nas sete províncias do norte afegão, região onde a violência é menor.O relatório da ONU também aponta para uma "nova e perturbadora tendência" no cultivo de drogas no Afeganistão: o aumento das plantações de maconha."A última coisa que precisamos é ver o Afeganistão trocar o cultivo de uma droga pelo de outra, ou pior, passar a liderar mundialmente tanto a produção da maconha quanto do ópio", alertou Costa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.