ONU promete não retirar antecipadamente forças de paz do Haiti

O secretário-geral daOrganização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, prometeu naquarta-feira que não haverá uma retirada rápida da força demanutenção de paz no Haiti, que ajudou a estabilizar o paíspela primeira vez em muitos anos. Em declarações dadas durante sua primeira visita ao Haitidesde que assumiu o cargo, Ban disse que recomendará umaampliação de 12 meses da missão de paz de quase 9.000 homens,liderada pelo Brasil. Em outubro o Conselho de Segurança da ONUdiscutirá a renovação do mandato da missão. A força de manutenção da paz foi enviada ao Haiti em 2004,depois de uma revolta que derrubou o ex-presidenteJean-Bertrand Aristide. Só recentemente conseguiu levar umarelativa calma ao país assolado por violentas gangues,assassinatos e uma série de sequestros. "A ONU, que esteve neste país em cinco oportunidades nopassado, não sairá até que o futuro esteja garantido", disseBan em entrevista coletiva ao lado do presidente René Preval,ex-colaborador de Aristide que lidera o novo governo eleito. "A missão da ONU está aqui para criar as condiçõesnecessárias para que as autoridades haitianas e os doadoresinternacionais implementem uma estratégia nacional para aszonas urbanas mais pobres", explicou Ban. O secretário-geral da ONU exortou Preval a continuar com osesforços contra a corrupção, que descreveu como um obstáculo aoprogresso. "Este é um tema muito sério", disse Ban. "A corrupçãodebilita as instituições e os indivíduos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.