ONU prorroga mandato de força internacional no Iraque

O Conselho de Segurança (CS) da ONU adotou nesta terça-feira uma resolução na qual autoriza a prorrogação do mandato da força internacional liderada pelos Estados Unidos no Iraque até 31 de dezembro de 2007. O Conselho indica no documento, aprovado por unanimidade, que a presença desta força foi solicitada pelo governo do Iraque, através de uma carta enviada em 17 de novembro pelo primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki. O embaixador dos EUA na ONU, John Bolton, disse que a resolução adotada é uma "decisão importante" e se parabenizou por ter sido aprovada com tanta rapidez. "A resolução demonstra que o Conselho de Segurança continua cooperando com o governo do Iraque para conseguir a estabilidade e a democracia no país", afirmou. A medida foi aprovada um dia antes da reunião entre o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush e o primeiro-ministro iraquiano em Amã para avaliar as possíveis opções no combate à escalada da violência no país árabe. Nesta terça, Bush deixou claro em Riga - onde ocorre a cúpula da Otan - que não atenderá nenhuma proposta para a retirada do Iraque e que as tropas americanas não sairão do país até terem completado sua missão com sucesso. Bush também negou a versão dos meios de comunicação que asseguram que a situação derivou em uma guerra civil, devido ao aumento da violência entre xiitas e sunitas no Iraque. No entanto, o secretário-geral da ONU, Kofi Annan, reafirmou a opinião de que o Iraque está à beira de uma guerra civil e propôs uma conferência internacional entre os partidos e facções políticas iraquianas. "Acho que seria de grande ajuda uma conferência, que reúna todos, como fizemos com a ex-Iugoslávia e outros casos, mas acho que temos que trabalhar com cautela para chegar até este ponto", afirmou Annan.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.