Manu Brabo/AP
Manu Brabo/AP

ONU prorroga missão que investiga crimes de guerra na Síria

Equipe independente de especialistas da organização ficará no país por mais seis meses

AE, Agência Estado

28 de setembro de 2012 | 13h21

GENEBRA - A principal agência de Direitos Humanos da ONU prorrogou nesta sexta-feira, 28, por mais seis meses a missão da equipe independente de especialistas que investiga os crimes de guerra ocorridos na Síria. O painel, liderado pelo brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro, culpa as forças do regime de Bashar Assad pelos mais graves abusos cometidos durante o conflito.

Veja também:

linkRebeldes lançaram morteiros sem precedentes contra as forças de Assad

linkSíria tem 300 mortos em um dos dias mais violentos do conflito, dizem ativistas

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

O mandato do comitê deveria expirar no final deste mês, mas os países árabes apresentaram uma resolução para estendê-lo. A maioria dos 47 membros do Conselho de Direitos Humanos votou a favor da resolução. Três países abstiveram-se e a Rússia, China e Cuba foram contra.

Na semana passada, o painel submeteu uma segundo lista confidencial de suspeitos de crimes de guerra. "Eles vão ajudar a garantir que este não será um caso em que a impunidade prevaleça, e sim que os responsáveis pelos crimes contra o povo sírio sejam responsabilizados perante a justiça", disse a embaixatriz dos EUA na ONU, Eileen Chamberlain Donahoe.

O embaixador da Síria, Faysal Khabbaz Hamoui, criticou a resolução proposta pelos árabes afirmando que ela "favorece a Al-Qaeda".

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.