ONU publicará 1º relatório de ataque israelense a frota em setembro

Comitê internacional está investigando assalto no qual nove ativistas turcos foram mortos em maio

Efe,

12 de agosto de 2010 | 20h30

GENEBRA- O comitê das Nações Unidas que investiga o ataque israelense à frota humanitária com destino a Gaza publicará seu primeiro relatório em 15 de setembro, anunciaram nesta quinta-feira, 12, seus quatro membros, após finalizar nesta dois dias de reuniões.

 

Veja também:

linkTurquia investigará ataque de Israel a frota humanitária

linkNetanyahu rejeita proposta palestina para plano de paz, diz jornal

lista Veja as novas regras do bloqueio de Gaza

 

Em comunicado divulgado pela ONU, o grupo afirmou que as primeiras discussões "foram realizadas em um ambiente positivo e de cooperação" e ressaltou que voltará a se reunir no início de setembro.

 

"O comitê se esforçará em redigir um relatório preliminar para 15 de setembro", disse o porta-voz da ONU, Martin Nesirky.

 

O grupo de investigadores é dirigido pelo ex-primeiro-ministro da Nova Zelândia Geoffrey Palmer e tem como vice-presidente o ex-presidente colombiano Álvaro Uribe.

 

Os outros dois membros são o israelense Yosef Ciechanover e o turco Ozden Sanberk, cada qual representando as duas partes envolvidas no ocorrido.

 

O Exército de Israel foi o autor do ataque, realizado em 31 de maio, enquanto a Turquia é de onde provinham os nove mortos no incidente e também de onde partiu o comboio de navios interceptados, que se dirigiam à Faixa de Gaza para romper o bloqueio israelense ao território palestino.

 

Os quatro membros do comitê se reuniram pela primeira vez na terça-feira passada após um encontro com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. Segundo o comunicado, Ban "explicou o que acredita que deve ser a natureza de sua tarefa".

 

Posteriormente, se reuniram com responsáveis do Secretariado-Geral das Nações Unidas para assegurar que podem contar com o respaldo administrativo necessário para realizar sua missão. Além disso, o comitê "começou a discutir como realizará seu trabalho", acrescentou a ONU.

 

Segundo a Organização, a incumbência dos quatro investigadores é identificar os fatos, circunstâncias e contexto do incidente, bem como recomendar formas de evitar que ele se repita.

 

Para isso, receberão e revisarão os resultados das investigações internas realizadas por israelenses e turcos, aos quais poderão pedir "esclarecimentos e informações de que as autoridades necessitem", indica o comunicado.

 

O início das investigações teve polêmica, após Ban negar na segunda-feira que houvesse um acordo com Israel para que os militares israelenses não fossem interrogados. As palavras do secretário-geral causaram uma rápida reação de Tel Aviv, que ameaçou se retirar do comitê caso seus soldados sejam interrogados.

 

A posição de Israel aumentou as suspeitas daqueles que consideram que o mandato do comitê é fraco demais para apurar as possíveis responsabilidades dos militares desse país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.