ONU quer campo para refugiados sírios na Jordânia

Um oficial da ONU sugeriu nesta terça-feira que a Jordânia abra um campo de refugiados para os milhares de sírios que fogem da onda de violência em seu país, poucas horas depois de outras mil pessoas cruzarem a fronteira.

AE, Agência Estado

03 de julho de 2012 | 14h52

O apelo partiu de Andrew Harper, representante da agência de refugiados da ONU para a Jordânia, que já recebeu cerca de 140 mil sírios.

A Síria convive com uma grave onda de violência desde março do ano passado, quando irrompeu um levante popular contra o presidente sírio Bashar Assad, cuja família controla o país há mais de quatro décadas. Mais de 16,5 mil mortos morreram em conflitos entre tropas sírias e grupos rebeldes, segundo os últimos números do Observatório Sírio para os Direitos Humanos, com sede em Londres.

A Jordânia tem um novo campo que permanece inativo devido ao temor de Amã de contrariar o governo sírio.

"Teremos de fazer algo logo porque mil pessoas chegaram (na segunda-feira) à noite", disse Harper em entrevista por telefone. "Nos últimos quatro dias, os números têm dobrado a cada noite."

A maioria dos refugiados veio da cidade de Homs e de seus arredores, no norte da Síria, e de Deraa, perto da fronteira. Refugiados relataram movimentação de tropas nas cercanias de Deraa e temem que uma ofensiva militar esteja para estourar na região.

A Jordânia recebeu cerca de 1,5 milhão de refugiados vindos do Iraque no auge da violência no país vizinho, no período entre 2003 e 2008. Os iraquianos tiveram um forte impacto sobre os escassos recursos jordanianos e centenas deles permaneceram no reino. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
JORDÂNIASÍRIAREFUGIADOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.