ONU quer investigar rumor de saque em usinas nucleares

A agência da ONU para a energia nuclear (AIEA) pediu aos EUA que autorizem o envio de uma missão do organismo ao Iraque para determinar quanto há de verdade nas notícias de saques ocorridos em usinas nucleares iraquianas, disse nesta segunda-feira em Viena, à imprensa, uma porta-voz da entidade. "Ainda não recebemos uma resposta à carta enviada aos EUA pelo diretor da agência, Mohamed El Baradei, na qual se pede autorização para o envio de uma missão ao Iraque para determinar o estado das usinas nucleares", disse a porta-voz Melissa Fleming. O próprio El Baradei havia dito na semana passada que está em contato com os EUA e que já era hora de os inspetores nucleares da ONU voltarem ao Iraque. Neste caso, explicou a porta-voz, não se trataria de uma retomada das inspeções suspensas pouco antes do início da guerra e, sim, de uma missão científica para entender o que aconteceu nas instalações nucleares iraquianas, sobre as quais a AIEA tem uma farta documentação, o que lhe permitiria verificar se algo realmente desapareceu. O material radiativo conservado nas usinas nucleares iraquianas, segundo a porta-voz, em geral não se presta à fabricação de bombas atômicas, mas poderia ser usado para fazer "bombas sujas". Chamam-se "bombas sujas" os explosivos que contêm substância radiativa, que no momento da explosão se espalha, com conseqüências imprevisíveis. É um tipo de arma de fácil fabricação que pode ser usada por organizações terroristas.Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.