ONU quer que Brasil receba refugiados colombianos

A ONU quer que o Brasil comece a receber refugiados colombianos, que estão deixando o país a cada dia por causa da guerra civil que tem se intensificado nos últimos meses. A informação é de Jozef Merkx, principal encarregado do Alto Comissariado da ONU para Refugiados para as Américas. A entidade revelou à AE que espera que o Brasil receba até 50 refugiados. Segundo Merkx, a ONU está em negociações com o País e várias reuniões já foram promovidas na embaixada brasileira em Quito, no Equador. Os refugiados que seriam selecionados para ir ao Brasil seriam aqueles que já saíram da Colômbia e estão tentando refazer suas vidas no Equador. O problema é que, em alguns casos nem mesmo cruzando a fronteira da Colômbia para o Equador essas pessoas se sentem seguras. "Nesses casos, encontramos outros lugares para que essas famílias possam viver em paz, como nos Estados Unidos, Canadá e Brasil", afirmou o representante da ONU, que lembra que parte dos custos para receber esses refugiados terão que ser pagos pelos governos que aceitem recebê-los. A iniciativa da ONU em procurar o Brasil ocorre em um momento crítico para os refugiados colombianos. Segundo um recente estudo interno da ONU, cerca de 1,3 milhão de colombianos deixaram o país desde 1999 e, em alguns países, a estimativa é de que existam quase 100 mil colombianos vivendo na clandestinidade, como na Venezuela. Oficialmente, porém, apenas 70 mil colombianos contam com o status de refugiados no mundo, 40 mil apenas nos Estados Unidos. No Equador, a estimativa é de que o país termine 2004 com 40 mil refugiados vindos da Colômbia. O aumento de pessoas pedindo asilo está obrigando o governo de Quito a convocar para essa semana, em Genebra, uma reunião de emergência com países ricos para que doações sejam feitas para lidar com o problema. "A crise humanitária cresce na região e precisamos estar prontos para todos os cenários", completou Merkx.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.