AP Photo/Fernando Vergara
AP Photo/Fernando Vergara

ONU recebe 7.132 armas de guerrilheiros das Farc

Guerrilha completou entrega de suas armas à missão da ONU na Colômbia, dentro do acordo de paz para pôr fim a mais de meio século de conflito

O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2017 | 21h18

MESETAS, COLÔMBIA - A guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) completou a entrega de suas armas à missão da ONU na Colômbia, dentro do acordo de paz para pôr fim a mais de meio século de conflito, informou nesta segunda-feira, 26, o organismo. 

“A missão armazenou o conjunto das armas individuais das Farc registradas: 7.132 armas, salvo aquelas que servirão para dar segurança aos 26 acampamentos”. Nesses territórios, estão concentrados cerca de 7 mil guerrilheiros, afirmou a ONU em comunicado.

Amanhã, o presidente Juan Manuel Santos e o chefe das Farc, Rodrigo Londoño, participarão de um ato que marca o fim do processo de entrega das armas em Mesetas, Departamento de Meta, no centro do país.

Em 20 de junho, teve início a terceira e última fase da entrega de armas das Farc, um momento definitivo na transição do movimento de guerrilha mais antigo do continente para a vida civil. As Farc se tornarão um movimento político cuja linha será definida no congresso do grupo, em agosto. 

Na última semana, o grupo rebelde terminou de entregar seu arsenal. Uma missão da ONU, com 450 observadores, é encarregada de confirmar o desarmamento, armazenar o arsenal e destruí-lo até 1.º de setembro.

O órgão ressaltou que até agosto os guerrilheiros vão continuar em posse de um lote de armas para garantir as 26 áreas de concentração, conhecidas como zonas de desarmamento.

Em paralelo, a ONU continuará a busca por mais de 900 abrigos e esconderijos de armas e explosivos das Farc. “Até o momento, a missão verificou 77 esconderijos, em que as armas foram extraídas e as munições, os explosivos e as armas instáveis foram destruídos”, indica.

O ato de amanhã é considerado um momento histórico no fim da violência armada das Farc, movimento de guerrilha de origem camponesa. O grupo armado colombiano enfrentou outras guerrilhas, grupos paramilitares e agentes estatais, em um conflito que deixou 260 mil mortos, 60 mil desaparecidos e 7,1 milhões de desabrigados. / AP

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaFarcJuan Manuel Santos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.