ONU: restrição de direitos e guerra alimentam o terror

Os governos nacionais deveriam evitar restringir as liberdades individuais na luta contra o terrorismo, porque esse tipo de estratégia ajuda os grupos radicais a recrutar, informa a agência de direitos humanos nas Nações Unidas. A ocupação de um território por forças estrangeiras também ajuda a engrossar as fileiras do terror, disse a comissária de Direitos Humanos da ONU, Louise Arbour, referindo-se indiretamente à situação no Iraque.Arbour evitou citar os países que estariam atacando os direitos humanos na guerra ao terrorismo, dizendo que "não gostaria de apontar para nenhum país ou região". Mas se disse "muito preocupada" com a situação no Iraque.O terrorismo internacional costumam recrutar em países de governo fraco e pouco democrático, buscando adesões entre os que sofrem com pobreza, violência ou intolerância, disse ela. Se houvesse mais respeito aos direitos humanos, o fluxo de recrutas diminuiria, acrescentou. "Buscamos um equilíbrio apropriado entre segurança e liberdade", disse."Não devemos nos permitir virar prisioneiros de uma cultura de medo, exclusão e arrogância", Arbour declarou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.