ONU se debate com excesso de missões de paz

A Organização das Nações Unidas está imersa em missões de paz cada vez mais complexas e precisa encontrar meios melhores - e mais duradouros - de lidar com crises internacionais, dizem membros do Conselho de Segurança. A organização mundial atualmente responde por 15 missões, que custam US$ 2,8 bilhões, e há outras quatro a caminho. De acordo com os diplomatas, os casos ficam cada vez mais caros e complicados. A missão no Haiti, que será encabeçada por brasileiros, é a mais recente. ?Desde o fim da guerra fria, você tem essa irrupção repentina de conflitos, e não se trata de conflitos entre Estados mas, freqüentemente, internos?, diz o embaixador paquistanês Munir Akram, atual presidente do Conselho de Segurança. ?Assim, a resposta não pode ser um pedido de cessar-fogo. não há cessar-fogo, porque as partes não são responsáveis - sequer são Estados-membros?, pondera. Hoje em dia, manter a paz não significa apenas isolar os combatentes, diz ele, mas reconstruir sociedades inteiras, derrubadas pela guerra. Nesta sexta-feira, o Conselho de Segurança reuniu-se para debater novas formas de levar a paz ao mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.