ONU se mostra 'alarmada' com mortes em distúrbios na China

Alta comissária de Direitos Humanos considera alto o número de mortes e pede explicação e fim da violência

Efe,

07 de julho de 2009 | 13h49

A alta comissária de Direitos Humanos das Nações Unidas, Navi Pillay, se mostrou "alarmada" nesta terça-feira, 7, com "o alto número de mortes" durante os enfrentamentos na região autônoma de Xinjiang, e definiu o ocorrido como "tragédia maior".

 

Veja também:

video Vídeo com os protestos (no YouTube)

lista Entenda: Xinjiang, área de maioria muçulmana que incomoda Pequim

 

Os incidentes deixaram pelo menos 156 mortos, mais de mil feridos e 1,434 mil detidos na capital regional, Urumqi, segundo números oficiais. Os conflitos começaram em um protesto pacífico no qual entre mil e 3 mil uigures pediam justiça, após um ataque a trabalhadores de sua etnia em uma fábrica da cidade de Shaoguan.

 

"Este é um número muito alto de pessoas assassinadas em menos de um dia de distúrbios", disse Navi, que apelou aos líderes da etnia muçulmana uigur e às "autoridades han de todos os níveis a se conter e não estender a violência e a perda de vidas".

 

No comunicado, Navi afirma que "as circunstâncias que fizeram com que tantas pessoas fossem assassinadas não são de todo claras", mas ressalta que as tensões entre a etnia uigur e a han são antigas.

 

A alta comissária destacou o direito de todo cidadão de se manifestar e de exercer o direito à liberdade de expressão de maneira pacífica. "Reconheço perfeitamente o direito das autoridades de manter a ordem", disse Navi, mas só devem usar a força "quando for estritamente inevitável e sempre para proteger a vida".

 

Além disso, a alta comissária de Direitos Humanos da ONU pediu bom tratamento para os detidos. "As pessoas que foram detidas devem ser tratadas adequadamente e devem ser processados mediante um processo que esteja alinhado às leis chinesas e aos padrões internacionais de direitos humanos", disse.

 

Navi também solicitou uma investigação transparente e independente sobre o ocorrido no domingo, que estabeleça por que houve tantas vítimas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.