ONU se prepara para guerra no Iraque

A Organização das Nações Unidas (ONU) prepara-se em segredo para uma eventual guerra no Iraque ao mesmo tempo em que relatórios secretos da entidade desenham um cenário caótico para o país árabe: destruição da economia e aproximadamente um milhão de refugiados. É o que informa nesta segunda-feira o jornal The Times. Em sua página na Internet, o diário britânico registra que as agências humanitárias da ONU atualizaram seus funcionários internacionais sobre as ações de saída do Iraque e planos de emergência já estão sendo elaborados. O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, está tentando executar esses preparativos em segredo, garantiu o The Times, pois teme dar a entender que a guerra é inevitável. Já no mês passado, depois de o Conselho de Segurança da ONU ter aprovado a resolução 1.441, que determina o regresso dos inspetores de armas a Bagdá, Annan teria ordenado a preparação dos planos emergenciais. Documentos de circulação interna prevêem cenários sinistros no caso de uma ação militar contra o Iraque: a produção de petróleo será interrompida, o Porto de Umm Qasr, no Golfo Pérsico, será fechado, e o bombardeio de pontes interromperá o trânsito de veículos e as linhas de trem entre leste e oeste do país. Além disso, os relatórios indicam que a rede elétrica será danificada, refletindo gravemente no funcionamento dos sistemas hidráulicos. Numa reunião realizada em Genebra em 13 de dezembro, a ONU solicitou a mais de 10 países doadores uma ajuda de US$ 37 milhões para ações humanitárias. O Programa Mundial de Alimentação começou a reunir suprimentos capazes de sustentar 900 mil pessoas durante um mês. O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) está pronto para transportar em 72 horas provisões para 250 mil pessoas e montar tendas e fornecer cobertores a mais 100 mil. Para levar todos os refugiados a um destino seguro seriam necessários US$ 60 milhões e 12 semanas de trabalho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.