EFE/Jason Szenes
EFE/Jason Szenes

ONU se transformou em uma ‘farsa moral’, afirma Netanyahu

Em discurso na sede da organização, premiê de Israel volta a acusar palestinos de ódio à existência de seu Estado

O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2016 | 19h56

NOVA YORK - O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, afirmou em seu discurso durante a Assembleia-Geral da ONU, em Nova York, que a organização se tornou uma “farsa moral” e criticou a “obsessão” da maioria dos membros do órgão com o seu país. “A ONU começou como uma força moral e se transformou em uma farsa moral”, disse, citando como exemplo o fato de a Assembleia-Geral ter aprovado, em 2015, 20 resoluções contra Israel e apenas 3 contra outros membros. 

Apesar das críticas, ele se mostrou convencido de que a atitude do mundo em relação a Israel está começando a mudar e disse que, em poucos anos, seu país poderá “aplaudir” a ONU.

O premiê também afirmou que o conflito entre israelenses e palestinos nunca teve sua origem nos assentamentos de Israel, mas sim no reconhecimento do Estado judeu. “Esse conflito não é pelos assentamentos, e nunca foi”, afirmou. “Sempre foi pela existência do Estado judeu.”

A declaração foi uma resposta ao presidente palestino, Mahmoud Abbas, que também discursou ontem e afirmou que a expansão dos assentamentos na Cisjordânia ocupada destrói qualquer esperança de uma solução de dois Estados. “O que o governo israelense está fazendo com a continuação de seus planos expansionistas destruirá qualquer possibilidade que reste de uma solução de dois Estados ao longo das fronteiras de 1967”, afirmou o palestino.

Abbas também pediu aos países que reconheçam a Palestina como um Estado: “Aqueles que acreditam na solução de dois Estados devem reconhecer ambos Estados, e não apenas um deles”. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.