GeoEye Satellite Image/AP
GeoEye Satellite Image/AP

ONU tem novos indícios de cooperação nuclear entre Síria e Paquistão

Criador do programa atômico paquistanês teria fornecido informações a Damasco, dizem fontes

Associated Press

01 de novembro de 2011 | 15h08

WASHINGTON - Investigadores da Organização das Nações Unidas (ONU) identificaram na Síria um complexo antes desconhecido que aumenta as suspeitas de que Damasco tentou adquirir tecnologia para produzir armas nucleares, muito provavelmente em conjunto com o paquistanês A.Q. Khan, considerado o pai do programa nuclear do Paquistão.

 

O complexo, localizado no noroeste do país, tem o desenho similar ao de uma usina de enriquecimento de urânio localizada na Líbia, da época em que o ex-ditador Muamar Kadafi tentava produzir armas nucleares sob a direção de Khan, informaram as fontes da ONU.

 

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) teve acesso a correspondências entre Khan e um funcionário do governo sírio, Muhidin Issa, que propôs a cooperação científica e uma visita aos laboratórios do paquistanês após o teste nuclear de Islamabad em 1998.

 

O complexo, na cidade de Al-Hasakah, aparentemente é agora uma usina de fiação de algodão, e investigadores não encontraram indícios de que o local havia sido usado para produção nuclear em algum momento. Mas dado o fato que um reator sírio foi destruído em 2007 por aviões israelenses, a improvável coincidência indica que a Síria pode ter tentado obter uma bomba atômica por dois modos - com plutônio ou urânio.

 

OS detalhes da conexão entre Síria e Khan foram passados à Associated Press por um diplomata próximo das investigações da AIEA e por um ex-investigador da ONU. Ambos falaram sob condição de anonimato dado o caráter sensível do assunto.

 

O governo sírio não respondeu a pedidos para comentar o caso. Damasco nega reiteradamente que esteja em busca de armas nucleares, mas tem colocado obstáculos nas investigações sobre o local bombardeado por Israel. A Síria também negou vários pedidos da AIEA para visitar o complexo de Al-Hasakah. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.