ONU teme epidemias por chuvas no sul da Ásia

Nações Unidas enviam 127 toneladas de alimentos a vítimas de inundações em Bangladesh

Efe e Associated Press,

07 de agosto de 2007 | 13h52

Grupos internacionais de ajuda humanitária alertaram nesta terça-feira para o iminente risco de uma crise sanitária caso milhões de pessoas afetadas pelas chuvas das últimas semanas no sul da Ásia não recebam auxílio urgentemente. Mais de duas semanas de chuvas de monções provocaram enchentes e transbordamento de rios no norte da Índia, em Bangladesh e no Nepal. Pelo menos 376 pessoas morreram nesses países. O número de flagelados aproxima-se dos 20 milhões. Durante uma breve diminuição das chuvas, agentes humanitários, autoridades locais e forças de segurança engajaram-se na distribuição de comida, água potável e medicamentos numa tentativa de impedir a disseminação de epidemias provocadas por água contaminada. Mas a escala do fenômeno e as previsões de novas tempestades colocam em risco a eficácia dos esforços humanitários.  "Vilas inteiras estão a poucos dias de uma crise sanitária se as pessoas não foram alcançadas rapidamente", alertou Marzio Babille, diretor dos serviços de saúde do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), por meio de um comunicado. Babille alertou ainda que "em muitas das zonas afetadas, vivem comunidades pobres com más condições sanitárias e higiênicas" e que "vários municípios podem sofrer crise sanitárias se não receberem ajuda nos próximos dias". Toneladas de alimentos O Programa Mundial de Alimentos (PMA) da ONU e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) distribuirão esta semana 127 toneladas de biscoitos energéticos entre 212.000 pessoas atingidas pelas inundações em Bangladesh. A Unicef também fornecerá cobertores, roupas, tabletes para purificar a água, soro fisiológico e outros remédios, e ajudará o governo bengali a instalar latrinas e facilitar o acesso à água. "Esses biscoitos apresentarão a nutrição essencial a milhares de pessoas atingidas pelas inundações", disse o representante do PMA em Daca, Douglas Broderick, em comunicado de imprensa. Os biscoitos altamente energéticos (HEB, em inglês) não só são uma fonte calórica e energética, mas também apresentam pelo menos 50% das quantidades de vitaminas e minerais essenciais recomendadas para os adultos, disseram as duas organizações, que destinarão US$ 120.000 ao projeto. Além dos HEB, que serão distribuídos entre as pessoas de mais de 6 anos, a Unicef e o PMA distribuirão novos biscoitos BP5 aos menores dessa idade, assim como às mulheres grávidas e às que estiverem em período de lactação.

Tudo o que sabemos sobre:
monçõesenchentesÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.