ONU usará relatório para cobrar regime

Um relatório que denunciará hoje execuções sumárias e torturas generalizadas feitas pelo regime sírio servirá de base para uma reunião na ONU, na sexta-feira, que discutirá as violações de direitos humanos na Síria. O texto, resultado de uma investigação da ONU liderada pelo brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro, relatará também mutilações a crianças.

JAMIL CHADE, CORRESPONDENTE / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2011 | 03h01

O Palácio do Planalto, depois de manter uma posição de diálogo com Damasco, orientou o Itamaraty a subir o tom contra a Síria no encontro, que ocorrerá em Genebra. O governo brasileiro se mostrou contrário à imposição de sanções à Síria, alegando temer o isolamento de Damasco. Mas a avaliação recente é que os sírios não aproveitaram o canal aberto pelos países emergentes.

Na reunião, o Brasil deve insistir que rejeita a politização do debate sobre direitos humanos e o uso do documento como um instrumento político para justificar ações militares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.