ONU vê avanço na destruição de arsenal sírio

Damasco fez 'progresso encorajador' para destruir armas químicas, dizem inspetores

O Estado de S.Paulo / Reuters e AP

04 de outubro de 2013 | 02h06

DAMASCO - As Nações Unidas afirmaram ontem que o regime de Bashar Assad está cooperando para se desfazer de suas armas químicas, conforme prevê o acordo firmado por americanos e russos que foi chancelado, na semana passada, pelo Conselho de Segurança da organização. Inspetores internacionais dizem ter obtido um "encorajador progresso inicial" em sua missão.

Os funcionários da Organização para Proibição de Armas Químicas (Opaq) preveem que, dentro de uma semana, terão início as visitas a locais que fazem parte do programa militar clandestino de Assad. Ontem, um novo time de inspetores desembarcou em Damasco para iniciar os preparativos de uma ampla operação para desmantelar e, ao final, destruir todas as armas de destruição em massa do regime sírio.

Segundo o acordo entre as grandes potências e Assad, até o dia 9 de novembro os inspetores devem ter pronto o inventário completo do arsenal químico da Síria. A localização, o desmantelamento e a eliminação das armas ocorreriam nos oito meses seguintes. Americanos e europeus deixam claro que, caso Damasco não coopere, os preparativos para uma intervenção militar contra o regime serão retomados.

Os inspetores em território sírio comunicaram os sinais de avanço ontem, após reuniões com autoridades de Damasco. Segundo um comunicado, os documentos "parecem promissores", embora sejam necessários mais estudos. "Algumas perguntas continuam sem resposta", ponderou ainda a equipe da ONU.

Por enquanto, estão na Síria 19 inspetores da Opaq e outros 14 funcionários das Nações Unidas. No entanto, dentro de uma semana, a missão deve somar 100 pessoas.

A pressão sobre a Síria cresceu após o ataque com gás sarin na periferia de Damasco, no dia 21 de agosto. Americanos, europeus, ONGs e países da região acusam o governo Assad de ter cometido o crime, que deixou mais de mil mortos. Do outro lado, a Síria e a Rússia - sua principal aliada entre as grandes potências - culpam os rebeldes, que estariam tentando culpar o regime sírio.

Em resposta à tragédia, os EUA, juntamente com a França, iniciaram preparativos para lançar uma operação militar contra alvos sírios. A ofensiva foi suspensa após Washington ter aceitado um acordo, sob mediação da Rússia, segundo o qual o governo de Assad reconheceria oficialmente a posse do arsenal e abriria mão de suas armas químicas.

A Opaq nunca trabalhou com um cronograma tão apertado - 9 meses. Estima-se que a Síria tenha mil toneladas de agentes químicos, que os funcionários terão de eliminar em meio a uma sangrenta guerra civil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.