Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
AP/Rahmat Gul
AP/Rahmat Gul

Onze pessoas morrem após explosão de mina terrestre no Afeganistão

O veículo em que as vítimas estavam detonou um explosivo de beira de estrada na província de Badgis, ao norte do país

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de junho de 2021 | 05h31

CABUL — 11 pessoas, incluindo crianças, foram mortas quando o veículo em que estavam detonou uma mina terrestre no norte do Afeganistão, informaram autoridades locais neste domingo, 6. O governo afegão culpa o Taleban pela instalação das minas, mas até o momento nenhum grupo assumiu a responsabilidade pelo ataque.

A explosão ocorreu horas antes da reunião entre líderes do movimento fundamentalista islâmico e funcionários da Organização das Nações Unidas (ONU), no Catar, para discutir o processo de paz no Afeganistão e a segurança de diplomatas e voluntários de agências humanitárias. Um porta-voz do Taleban disse no Twitter que Sher Mohammad Abbas Stanekzai, vice-chefe do escritório político do grupo, aproveitou o encontro para “reiterar seu forte compromisso com o processo de paz afegão”.

O governador da província de Badgis, onde explodiu a mina, afirmou que os 11 passageiros viajavam para a cidade de Qala-e-Naw. Essas armadilhas, que incluem desde explosivos de beira de estrada até pequenas bombas magnéticas fixadas sob veículos, costumam ter como alvo integrantes das forças de segurança, juízes, funcionários do governo, ativistas da sociedade civil e jornalistas.

Segundo a ONU, cerca de 1.800 civis afegãos foram mortos ou feridos nos primeiros três meses de 2021 durante combates entre as forças do governo e os insurgentes do Taleban, apesar dos esforços para estabelecer a paz./REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistão [Ásia]Taleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.