Opep pede que Irã não feche Estreito de Ormuz

O secretário-geral da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), Abdalla Salem el-Badri, afirmou hoje que o Irã não deveria fechar o Estreito de Ormuz, na entrada do Golfo Pérsico, por onde passa quase 40% do tráfego global de navios-tanque de petróleo.

AE, Agência Estado

21 de janeiro de 2012 | 19h42

"Meu conselho é para não fechar o Estreito de Ormuz. Isso só levaria a mais problemas que podem piorar. O que eu posso aconselhar aos países participantes é isso: por favor mantenham a paz", comentou el-Badri em uma entrevista para o jornal austríaco Kurier. O Irã tem ameaçado fechar a passagem caso países do Ocidente adotem novos embargos contra a exportação do seu petróleo. A União Europeia ameaça impor novas sanções contra o país em função do seu programa nuclear.

O líder da Opep afirmou ainda que o preço de US$ 100,00 o barril de petróleo é agora aceitável para produtores e consumidores e não prejudica a economia global de forma nenhuma. Alguns dias atrás a Arábia Saudita, que é o membro mais poderoso do grupo, já havia dito que era a favor dos atuais preços do petróleo. Na sexta-feira, o contrato do petróleo WTI para fevereiro fechou a US$ 98,46 o barril na Bolsa Mercantil de Nova York. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
OpepIrãOrmuz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.