Operação contra rebeldes continua no Timor-Leste

A operação procura cerca de 30 soldados envolvidos nos atentados contra o presidente do país

EFE

16 de fevereiro de 2008 | 02h31

As forças de segurança do Timor-Leste, ajudadas por tropas estrangeiras, continuaram nesta sexta-feira a operação para procurar nas montanhas cerca de 30 soldados renegados envolvidos nos atentados da segunda-feira contra o presidente do país, José Ramos Horta, e do primeiro-ministro, Xanana Gusmão. O chefe do Exército timorense, general Taur Matan Ruak, pediu aos rebeldes que se entreguem e à população que deixe de dar-lhes refúgio "porque colocam em perigo suas próprias vidas", informaram os meios de imprensa australianos. "Os soldados em breve começarão a revistar casas particulares na busca dos homens leais ao comandante Alfredo Reinado, morto no ataque contra Ramos Horta", acrescentou Ruak. O procurador-geral do Timor-Leste, Longuinhos Monteiro, emitiu ontem ordens de busca e captura contra 12 pessoas por causa dos atentados, prepara outras cinco, e não descartou que o número aumente nos próximos dias.

Tudo o que sabemos sobre:
Timor-Leste

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.