Operação de atracamento do Costa Concordia é concluída

Navio que encalhou e naufragou em frente à ilha de Giglio em janeiro de 2012 será desmontado; 32 pessoas morreram no acidente

Efe

27 Julho 2014 | 15h16

ROMA - O Costa Concordia, navio de cruzeiro que naufragou em 2012 no litoral da ilha de Giglio, na Itália, já está atracado no estaleiro de Prà Voltri, em Gênova, no norte do país, onde terá peças de mobília que não sejam metálicas retiradas nos próximos quatro meses para depois ser desmontado.

Os responsáveis pela operação de atracamento já concluíram as manobras no porto de Gênova, onde a embarcação chegou neste domingo e concluiu sua última viagem.

Agora começa um processo de desmontagem que durará 22 meses e que ocorrerá em duas áreas do porto: os estaleiros de Prà Voltri e Sampierdarena.

"Me sinto orgulhoso por ter participado desta operação que tem sido realizada com tanto respeito para com as vítimas e seus familiares, e também com muito respeito pelo meio ambiente", afirmou o engenheiro Sergio Girotto, um dos chefes dos trabalhos de desmontagem.

O navio começou sua última viagem no dia 23 e completou o trajeto de 200 milhas náuticas (370 quilômetros) entre a Ilha de Giglio e Gênova em quatro dias.

Neste tempo, a embarcação navegou, segundo os responsáveis pela operação, a uma velocidade média de dois nós (3,7 km/h), mas em algumas ocasiões teve que reduzi-la a 0,5 nós (0,92 km/h) por causa dos fortes ventos.

Durante sua passagem pela costa da ilha de Córsega, o Concordia foi acompanhado por um navio militar da França - com a ministra de Ecologia do país, Ségolène Royal, a bordo -, que supervisionou a tarefa de evitar a poluição do mar pelo vazamento de substâncias nocivas do navio.

O Costa Concordia encalhou e naufragou em frente à ilha de Giglio no dia 13 de janeiro de 2012, causando a morte de 32 pessoas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.